top of page

Blog Cellpreserve

topomail.png

Cadastre-se e participe da nossa jornada!

Quer saber mais sobre Células-Tronco ou exames? 

Pai doa células-tronco para o filho com leucemia após tentar suicídio.

JENNA WATSON/INDYSTAR

Naquela manhã de julho, quando Geovani Galvez saiu do trabalho, não poderia imaginar no futuro de Levi, seu filho de 6 anos que lutava contra o câncer nos últimos quatro anos. Galvez pegou a arma de seu irmão e tentou suicídio. Mas sobreviveu.

E, agora, por causa disso, seu filho também poderia sobreviver.


Sete meses após a tentativa fracassada de suicídio do pai, o câncer de Levi voltou. E os médicos disseram a Galvez que um transplante de células-tronco pode ser a chave para salvar a vida de seu filho. “Necessário”, disse Galvez há algumas semanas a um jornal americano. Ele e Levi hoje passam por uma série de procedimentos, preparando-se para o transplante de células-tronco. “Fui mantido aqui para ajudá-lo no momento mais difícil de sua vida. Estou feliz por ter permanecido vivo…. É incrível, é como se eu estivesse dando vida a ele.”

Para Levi, que é autista, os lobbies hospitalares são uma parte regular da vida. Em 2018, quando Levi tinha cerca de 2 anos, ele parou de andar de repente. Seus pais pensaram que ele poderia ter machucado uma das pernas e o levaram para a emergência, onde a equipe do hospital notou que o menino também tinha algumas erupções cutâneas. Temendo o pior, fizeram exames de sangue que confirmaram as suspeitas: Levi tinha câncer, leucemia linfoblástica aguda de células B.


Galvez e sua esposa ficaram chocados e devastados. Apenas algumas horas antes, eles pensaram que seu filho estava perfeitamente saudável. “Uma das coisas mais difíceis é não esclarecer todas as dúvidas”, disse Galvez. “ Nós simplesmente não sabíamos de nada. Foi definitivamente esmagador.”

A irmã de Levi, Violet, tinha apenas 7 meses de idade na época do diagnóstico. Nos dois anos seguintes, Levi entrou e saiu do hospital. E com cada tratamento de quimioterapia, ao que parecia, vinha as complicações. Primeiro, infecções bacterianas, depois convulsões e, ao longo do caminho alguns outros episódios assustadores. Levi perseverou e em agosto de 2020, os meses de tratamento chegaram ao fim.

Embora o regime de quimioterapia resulte em cura para a maioria das crianças diagnosticadas com leucemia de células B, entre 10% e 20% apresentam uma recaída, disse o Dr. Sandeep Batra, diretor médico do programa de leucemia do Riley Hospital for Children. Levi caiu nessa minoria infeliz. Em março de 2021 os médicos decidiram tentar uma terapia mais forte e isso o levou de volta à remissão.

O estresse pessoal na vida de Galvez também começou a pesar. Ele estava trabalhando em longas jornadas e a vida parecia dura demais para suportar. “Eu apenas senti que as coisas não estavam indo do jeito que deveriam porque eu senti que estava perdendo o controle sobre tudo”, disse ele. "Eu estava realmente cansado de tudo o que estava acontecendo na minha vida e senti que esta era a saída.”


Enquanto dirigia, Galvez se deu um tiro no coração. "A dor era tão horrível", disse ele. “Foi a pior coisa que eu já senti na minha vida.”

De alguma forma, ele conseguiu dirigir até um hospital onde já havia trabalhado. Os ex-colegas de trabalho de Galvez o reconheceram e correram para salvá-lo. No dia seguinte à cirurgia a que foi submetido, Galvez estava de pé e andando mas a cirurgia não conseguiu reparar o trauma emocional que o levou até lá.


À medida que seus ferimentos se curavam, Galvez também recebeu tratamento de psicológico no hospital. Ele e sua esposa então decidiram que seria melhor para as crianças que ele ficasse em casa. Porém, em dezembro daquele ano, o câncer de Levi voltaria. Suas opções de tratamento estavam se estreitando. Cerca de 60% a 70% dos pacientes como Levi, cuja primeira recaída ocorre no final do primeiro tratamento, permanecem em remissão, disse Dr.Batra. Mais uma vez, Levi fez parte da minoria.


“Há uma porcentagem de leucemias que são resistentes”, disse Dr.Batra. “Pode-se prever isso com base em alguns marcadores genéticos, mas com Levi, esperávamos que ele se saísse bem e, na maioria das vezes, ele entrou em remissão por algum tempo”.


Quando Levi recaiu mais uma vez, os médicos puderam tentar duas outras terapias: uma forma relativamente nova de tratamento que tenta treinar o próprio sistema imunológico do paciente para combater o câncer. A outra esperança: um transplante de células-tronco.


Mas primeiro, tinha que haver um doador para Levi. Em alguns casos, um irmão é o doador ideal, disse a Dra. April Rahrig, médica de transplante de células-tronco e terapia celular do Riley Hospital for Children. Mas a irmã de Levi não era compatível. Em seguida, os médicos se voltaram Galvez e sua esposa, sabendo que mais de 99% dos pais tem potencial de serem doadores compatíveis com seus filhos. Esse acabou sendo o caso de Levi.


As mulheres correm um risco maior de doença autoimune, o que pode aumentar a chance de doença do enxerto versus hospedeiro, uma condição em que as células doadas atacam o corpo, disse Dra.Rahrig. Por esse motivo, os médicos preferem, quando possível, usar um doador masculino em vez de um doador feminino, principalmente uma mulher que deu à luz, o que pode aumentar ainda mais o risco de rejeição. Quando Galvez soube que ele era o melhor par para seu filho, ficou encantado. “Fiquei feliz porque realmente achamos que a irmã dele seria o par ideal, e saber que seria eu foi incrível.”


O transplante de células-tronco


Na manhã de 1º de março de 2022, os médicos removeram cerca de 1.700 mililitros de líquido da medula óssea dos ossos do quadril e das costas de Galvez. O fluido continha células-tronco saudáveis ​​destinadas a Levi.

Enquanto isso, o menino estava recebendo doses intensivas de quimioterapia e radiação, o suficiente para destruir toda a sua medula óssea e sistema imunológico. A ideia era que a medula óssea saudável de Galvez fornecesse os blocos de construção para um novo sistema imunológico livre de câncer. Uma vez que o procedimento em Galvez terminou, a medula óssea foi para outra parte do hospital onde Levi esperava. Pouco depois a infusão de Levi começou.


Nas seis a oito semanas seguintes, Galvez ficará no hospital com Levi enquanto seu corpo aceita as novas células-tronco e reinicia o seu sistema imunológico. A recuperação como a de Galvez leva de três a cinco dias e dentro de um mês a medula óssea se regenera completamente.


Durante as próximas semanas, os médicos observarão Levi de perto para garantir que ele não desenvolva nenhuma infecção, que a quimioterapia e a radiação não tenham causado toxicidade nos órgãos e que ele se recupere como esperado.


Embora haja uma chance de que a leucemia de Levi retorne, os médicos dizem não ser provável. “Esta é uma cura para Levi”, disse Dra. Rahrig. Matéria Original: https://www.usatoday.com/story/news/nation/2022/03/15/father-survived-suicide-attempt-donate-stem-cells/7049626001/?gnt-cfr=1

118 visualizações
Nipt.png

NIPT

pré-natal

não invasivo

O cuidado com a 
saúde do bebê,
começa na gravidez

parto_chegando_vrt.jpg

Agendamentos
contatos e informações sobre células-tronco e exames.

atende
Selecione uma opção:

Contato recebido.
Em breve você receberá o retorno de nossa equipe.

bottom of page